Por que o meu negócio faliu

Tempo de leitura: 6 min

Aquele dia tinha sido cansativo e a ultima coisa que eu queria era ter que cozinhar. Também não tinha nada pronto pra comer e a data de entrega do projeto estava chegando.

Eu era um designer, sem tempo e com fome. Pessoas sem tempo e com fome tem um comportamento comum: pedir delivery. E foi o que eu fiz. Mas em uma cidade pequena, perto da região metropolitana de Porto Alegre não se tem muitas opções de comida, pelo que parece. Quando se está com fome e cansado parece que existem menos opções ainda. Então eu acabei pedindo a mesma coisa de sempre.

Depois que satisfiz a minha fome e voltaria a trabalhar no projeto eu comecei a perceber que existiam pelo menos 3 vezes mais opções de restaurantes do que eu pensei com fome e cansado.

fiz uma “pesquisa de mercado” com o máximo de pessoas que eu conhecia e validei que era uma dor real de mercado. Na época não existia ifood, Uber era uma empresa de taxi e talvez nem pensasse em transportar comida e os outros apps de delivery nem pensavam em existir.

Naquele momento começou a surgir o Find Food, um guia online onde estariam reunidos todos os restaurantes da região metropolitana, começando por Esteio. Na mesma hora eu deixei o projeto de lado e comecei a pensar na idéia, rabisquei um logotipo, pensei em nome e percebi que faltava um desenvolvedor para trabalhar comigo.

Trabalhamos muito pra chegar num produto perfeito, só esquecemos de um “detalhe

Chamei um amigo que curtiu muito a idéia. Eu ja tinha o layout quase pronto, mandei pra ele validar e ele me disse que eu precisaria desenvolver o layout (“programar” a parte visual, no caso). Isso me assustou, mas nada que o Google não ajudasse. “O que são meia dúzia de códigos pra um designer como eu”, pensei eu, confiante.

Na verdade eu estava confiante demais. Eu acreditava que um produto excelente era o suficiente para explodir e se tornar como o, então inexistente, ifood.

Ainda tinha muito trabalho pela frente, foram muitas garrafas de café de madrugada, noites sem dormir trabalhando e aprendendo a “programar html”. Conversamos com várias pessoas, todos acharam a idéia muito boa e enfim chegou o momento de mostrar o nosso filho para o mundo.

Lançamos o Find Food, começamos a cadastrar os locais manualmente, mas havia um questionamento: quantas pessoas acessam o site? Então começamos a perceber que esquecemos da parte mais importante: como atrair clientes? Não levou muito tempo e ja não tínhamos mais forças nem ânimo para trabalhar no projeto, que hoje descansa em paz.

Isso me ensinou duas coisas que foram muito importantes pra mim profissionalmente:

1. Html/CSS: o Find Food me forçou a aprender código. Logo eu me tornei webdesigner e sem esse primeiro contato isso não teria acontecido. Agradeço muito ao Bruno, inclusive.

2. Para uma empresa existir, precisa de clientes: Não poderíamos ter deixado pra pensar nisso depois de tudo pronto, fomos muito displicentes nesse sentido.

Depois disso eu percebi que muitas empresas faziam a mesma coisa. Tive muitos clientes (mesmo) que hoje não existem mais. Pra um designer não é nada legal ver que a sua criação foi só uma peça bonita para uma empresa que não existe mais.

Mas até então, marketing era só algo que eu achava necessário, mas não queria executar. Mesmo assim, orientava os meus clientes a buscar profissionais na área e grande parte deles fazia isso. Eles contratavam uma agência, 6 meses depois já estavam com outra, no outro ano ja era outra e assim acontecia quase sempre.

Me partia o coração ver tantas pessoas diferentes aplicando mal a marca que eu tinha criado. Pior ainda era ver alguns clientes com resultados quase inexistentes, me perguntando o que eu achava do trabalho que estava sendo feito.

Até que eu tomei a iniciativa de criar uma agência e ajudar eles a alcançar resultados. Reuni alguns parceiros que tinham uma visão parecida com a minha e começamos a trabalhar. Acontece que ser uma agência não é tão simples quando o mercado te vê como qualquer outra agência. Busquei outras formas de solucionar esse problema até chegar na metodologia que eu utilizo hoje.

Percebi que várias Startups estão crescendo muito rápido utilizando uma forma diferente de fazer marketing. Elas não fazem algumas ações. Elas não se limitam a postar em redes sociais e patrocinar links no Google. Elas não apenas fazem isso. Elas utilizam 19 formas diferentes de atrair clientes, buscando formas de otimizar custos, até encontrar um canal que realmente faz a empresa decolar.

Eu quero te mostrar de forma gratuita como isso funciona! Só preencher o formulário:

[mc4wp_form id=”292″]

NÃO SE PREOCUPE. SEUS DADOS NÃO SERÃO COMPARTILHADOS COM NINGUÉM.